Você sabe o que é o CEDI?

Por meio do Cadastro de Edificações é possível verificar, por exemplo, o histórico do imóvel

Muito se fala sobre ter e/ou manter o imóvel regular, porém, o que é preciso para que ele esteja normatizado? Qual a importância desse processo?

O imóvel precisa ter a sua planta aprovada junto à Prefeitura do seu município para que o Habite-se possa ser emitido. Essa certificação atesta que a edificação está apta para ser utilizada, bem como garante que o local foi construído, ou reformado, de acordo com as exigências legais para esse fim.

Todas as vezes que as residências e os estabelecimentos comerciais e de serviços sofrerem alguma alteração em seu projeto vão precisar da regularização para que não haja nenhum problema frente a legislação edilícia.

Dessa forma, com a documentação do imóvel em dia, os proprietários podem registrá-lo no Cartório de Registro de Imóveis para financiar futura venda, bem como facilitar o processo de herança, recolhimento do INSS, entre outras situações.

No caso de dúvidas referentes a regularização do imóvel é possível consultar o histórico da edificação pelo CEDI (Cadastro de Edificações), no qual, com o IPTU em mãos, a pessoa também poderá obter o certificado de regularidade e a notificação de irregularidade da edificação.

No site da Register Corporation do Brasil há uma área de consulta ao CEDI, localizado no ícone “Regularize seu imóvel”. Nesse espaço, a pessoa irá preencher os campos com os dados do imóvel e, também, com o nome, telefone e e-mail do interessado. Feito isso, ela será direcionada aos nossos atendentes que vão entrar em contato e oferecer toda a assessoria e consultoria necessária.

 

 

 

Crédito da foto: Designed by Onlyyouqj – Freepik.com

Universal doa terreno de R$ 38 milhões para “salvar” Templo do Salomão

O valor será utilizado para a construção de moradias populares

No dia 17 de outubro, a Igreja Universal do Reino de Deus assinou uma escritura, firmada em cartório, na qual que se compromete a doar um terreno avaliado em R$ 38 milhões à Prefeitura de São Paulo para evitar o fechamento do Templo do Salomão.

O espaço, que tem 74 mil m² de área construída, foi inaugurado em 2014, porém não possui um documento definitivo de funcionamento, que é chamado de “habite-se”, apresenta, apenas, um alvará para eventos. Que deve ser renovado a cada seis meses.

Por essa e outras polêmicas relacionadas ao projeto e á construção, onde inclusive, consta que a igreja utilizou de informações falsas para burlar a legislação, cogitava-se a hipótese de encerramento das atividades e demolição do espaço.

Assim, para conseguir a licença que precisam para continuar atuando normalmente, a Universal terá 180 dias para fazer a doação do imóvel, que será destinado à construção de 700 moradias populares. A área tem 17 mil m² e está instalada no Belenzinho, bairro situado na zona leste de São Paulo.

O Templo do Salomão foi inaugurado em julho de 2014, mesmo sem o aval do Corpo de Bombeiros, e custou cerca de R$ 680 milhões.

Obras olí­mpicas liberadas sem o último alvará

De acordo com documento assinado pelo prefeito do Rio, as arenas que serão utilizadas nos jogos olímpicos não precisarão do “Habite-se”

No último dia 11, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, assinou um decreto que reduz as exigências para aprovar as obras nas instalações esportivas que serão usadas nas Olimpíadas. De acordo com esse documento, as novas arenas não precisarão do “Habite-se”, que é o último alvará concedido pelas autoridades municipais para que as construções sejam liberadas para a utilização.

Segundo matéria sobre o assunto, divulgada pelo portal UOL, essa medida, feita em caráter extraordinário para o evento, tem como base uma declaração assinada pelo próprio engenheiro responsável pela obra. Cabe ressaltar que também é necessário a aprovação do Corpo de Bombeiros, assim como da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Companhia de Engenharia de Tráfego.

O Crea-RJ (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio) alertou sobre os riscos à segurança que essa medida pode causar. Já a Prefeitura do Rio de Janeiro, por sua vez, emitiu uma nota oficial na qual explica que todos os procedimentos técnicos foram realizados para garantir a total integridade física das pessoas que participarão das Olimpíadas.

Esse mesmo documento ressaltou que as arenas passarão por mudanças após o evento e, na ocasião, o alvará será exigido.

Não deixe que isso aconteça!

Caso necessite de uma visita técnica, para saber se toda a sua documentação e o seu estabelecimento estão nas normas exigidas pelo Corpo de Bombeiros, entre em contato agora com a Register Corporation do Brasil, no número: 4020-0099.

Fonte: http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/07/14/rio-reduz-exigencias-para-aprovacao-de-arenas-da-rio-2016-crea-rj-ve-risco.htm